Segurança, Sempre, em Primeiro Lugar

 

Segurança, Sempre, em Primeiro Lugar

 

É com muito orgulho e sentido de responsabilidade que a Seaventy é um operador turístico certificado com o selo Clean & Safe.
Este é um certificado que atesta que são cumpridas todas as recomendações da Direção-Geral da Saúde para evitar a contaminação dos espaços com o COVID-19, tornando a Seaventy um “porto seguro”.

Como empresa líder na organização de eventos, a Seaventy tem na Segurança um dos 6 principais valores a par da Integridade, Compromisso, Paixão, Autonomia e Disciplina.
Desde a nossa criação que somos movidos pela importante missão de Aproximar as pessoas do Mar e Desenvolver a Economia do Mar funcionando como plataforma dedicada a amantes do Mar para aluguer de espaços para eventos e acesso a experiências.
Se a Segurança já era um valor fundamental por servirmos pessoas e por normalmente ser num ambiente que não é o mais comum, o Mar, com a chegada inesperada do COVID-19, tornou-se a nossa prioridade máxima. Desde Março, toda a equipa tem-se dedicado a pesquisar e a criar manuais de normas de segurança que possam ser aplicados a cada espaço para eventos e barcos em que a Seaventy opera, bem como aos serviços de catering, tão importantes na nossa atividade.
Em cada página de barcos, programas ou experiências, encontrará uma aba “Garantia Clean & Safe” com as principais indicações que tivemos em conta para tornar a sua experiência e a dos seus convidados, bem como da nossa equipa e de todos os nossos fornecedores o mais segura possível.


Numa altura tão crítica para a economia nacional e em particular para a da nossa empresa, manteremos sempre o nosso Compromisso com a Segurança, orientando todos os investimentos para este sentido, para que continuemos a ser conhecidos pela “Excelência no Serviço e Experiência Impecável”.

Hoje e sempre, temos orgulho na nossa maior criação: a própria Seaventy!

Um momento-chave da(s) nossa(s) vida(s)?⚓

No início de abril já todos (incluindo a Seaventy) tínhamos passado as primeiras 4 das 9 fases da transformação, (Inconsciência, Consciência, Choque Emocional e Desconstrução Total), aproveitando da melhor forma este momento único provocado pelo Covid-19.

Desde aí a Seaventy continuou o seu processo de crescimento, evitando a fuga da dor para o esquecimento (Fase da Inconsciência) ou tentando racionalizar as incoerências (Fase da Consciência).

Bastante cientes destes dois riscos, desconstruimos totalmente a nossa empresa com a certeza que para lá do conhecido e da nossa zona de conforto, estaria um destino melhor à nossa espera! E assim decidimos deixar para trás a nossa versão anterior e passámos às fases seguintes da transformação:

5ª – Construção: Após a profunda análise aos pontos fortes, fracos, ameaças e oportunidades (SWOT), começámos o processo de criação de uma nova identidade. Felizmente, reconhecemos que as nossas bases (missão, valores e convicções) eram tão fortes e duradouras que não foi necessário fazer qualquer ajuste. Após a profunda análise SWOT só a visão antiga de sermos a melhor plataforma de acesso ao Mar deixou de transmitir aquela Paixão… 

Então começámos por escavar por aí até descobrirmos uma nova visão que respeitasse os 3 critérios do “Conceito-Ouriço” criado por Jim Collins: existe elevada e genuína Paixão? Podemos ser os melhores do Mundo? Tem potencial de trazer elevado retorno financeiro?

E eis que chegámos à Visão que acreditamos que nos vai guiar durante muitos e felizes anos:

Podemos ser a melhor plataforma do mundo de acesso a espaços para eventos e experiências para os Amantes do Mar!

À primeira vista, pode não parecer nada de especial. Mas a este nível (identidade da empresa), qualquer mudança vai reflectir-se nos níveis abaixo: organização, habilidades e capacidades, comportamentos e hábitos, ambiente…

foco deixa de estar 100% no que está no Mar e passa a estar 100% nas pessoas, que como nós, são Amantes do Mar. Não somos seres marinhos e na vida pessoal e profissional também fazemos eventos e experiências em terra, sempre que o Mar não ofereça melhor solução, utilizando os nossos talentos e a nossa experiência para conseguir os melhores resultados possíveis. É este o espírito da nova Seaventy.

Após esta reinvenção “profunda” na nossa identidade, passámos à próxima fase…

6ª – Choque Mental: É nesta fase que surgem as dúvidas e o medo. Será que a Seaventy é mesmo assim? Será que o caminho é mesmo por aqui? Éramos tão bons naquilo que fazíamos antes do Covid, temos mesmo que mudar? Esta é a fase de colocarmos a nossa nova identidade em questão, reformulá-la, se for caso disso, de garantirmos que o medo se transforma em fé e confiança. Depois de no mês de abril termos explorado a fase 5, agora estamos, sem dúvida, nesta fase de choque. 

Para além das questões todas que já nos fizémos, precisamos de si para nos ajudar a explorar esta fase. Depois da sua ajuda através do seu valioso feedback, o medo dará lugar à fé naquilo que somos então nessa altura estaremos em condições de passar à fase seguinte. 

7ª – Objectivos e Estratégia: Só sabendo quem a Seaventy é e em que ponto estamos, podemos decidir para onde queremos ir com a toda a segurança e entusiasmo. Usaremos os objectivos como uma poderosa ferramenta de motivação e não como um instrumento que nos utiliza e que nos obriga a esforços desgastantes e frustrantes, muitos deles não ecológicos com o nosso SER. Depois de bem definidos e com uma estratégia clara para os atingir, passaremos então à fase seguinte que acreditamos explorar já a partir do próximo mês – se tudo correr bem…

8ª – Concretização: Já sabemos quem somos. Já sabemos onde queremos estar. Já temos um plano. Não há outra opção que não passarmos para o instituto da ação. Depois das 3 fases mais mentais do processo, chegaremos à fase da concretização. Sem medos, com muita fé no destino, com grande espírito de equipa, a celebrar todas as pequenas conquistas, bora lá seguir o plano rumo aos objectivos propostos com o bom senso, sempre presente, para afinar a estratégia ou até os objectivos, se for caso disso!

9ª – Choque Instintivo: Depois da enorme quantidade de energia que foi necessária para completar a transformação, teremos que estar atentos ao risco do adormecimento. É nesta fase que nos iremos esquecer de todo o esforço que aplicámos neste processo e incorporaremos de forma totalmente inconsciente a nova identidade como algo que sempre fomos. É uma fase necessária porque fecha um processo de transformação e nos deixa disponíveis para um novo processo! Qual será? Logo veremos!

O que importa agora é continuar esta viagem de crescimento para que possamos recordar para sempre da pandemia como a melhor coisa que aconteceu na nossa vida!

Tenho a certeza que o que está acontecer agora com a Seaventy, já lhe aconteceu à sua agência ou a si em vários momentos-chave da sua vida!

Será este um desses momentos? Se for, desejo-lhe uma excelente viagem e conte connosco para o que for preciso =)

Saudações náuticas,

Bernardo Castro

SEO (Smile Executive Officer)

Aniversário Bernardo Castro – 30 anos de vida com sentido!

A ideia era celebrar duas importantes datas para mim – o 6º aniversário da Seaventy e o meu 30º aniversário – numa grande festa com a minha família, amigos, parceiros e clientes.

Esta festa foi apenas adiada para uma data a determinar, mas dou-lhe a minha palavra que vai mesmo acontecer! Só não calhará no meu dia de aniversário, mas isso também pouco interessa. 

Já organizei dezenas e dezenas de festas de aniversário, mas confesso que não tenho grande memória de alguma delas ter sido para mim. Dizem que é defeito de profissão… 

 

Mas este ano queria que fosse diferente. 

Sempre vivi com a convicção que não iria viver muito tempo, e por várias vezes partilhava o sentimento com a minha então namorada e agora minha mulher e mãe das nossas 5 filhas, que não esperava viver até aos 30 anos.

Pode pensar que é uma convicção limitadora e horrível de se ter. Mas é exatamente o contrário. Imagine como seria a sua vida se tivesse a certeza que ia morrer nos próximos, 2, 5 ou 10 anos. 

 

No entanto, agora sei que deveria ter sido mais específico quando imaginei este dia. Porque a verdade é que estou a ter aquilo que queria: este ano o meu aniversário está a ser mesmo diferente!

 

Estou, e estamos todos, a passar por uma fase absolutamente louca que em tão pouco tempo e ainda no início, já garantiu um lugar de destaque na História da humanidade.

 É impossível ficar indiferente à miscelânia de emoções tão largamente abordada e partilhada nos noticiários, redes sociais e pelos inúmeros grupos de Whataspp. Os sentimentos positivos de solidariedade e apoio a quem está na linha da frente misturam-se com as emoções negativas de frustração e angústia por toda a impotência de quem já pouco controla a sua vida. 

 

Agora, com 30 anos feitos, posso afirmar com toda a certeza que a maior lição que já aprendi é que cada vida tem um propósito que dá sentido a tudo pelo que passamos, até isto.

Como homem, pai, empresário e coach, esta certeza é a minha fonte de energia inesgotável que se traduz numa intensa paixão de viver!

 

Não podia estar mais grato pela enorme oportunidade que eu, e todos nós, estamos a ter. 

Contra a nossa vontade e obrigados por fatores que não controlamos, pessoas e empresas já passaram por várias etapas de crescimento! Só temos de ter essa consciência para não desperdiçarmos todo o duro caminho que já fizemos nestas últimas semanas.

 

Gostaria que recordasse uma fase de transformação importante da sua vida ou da sua empresa. Por exemplo ter deixado de fumar, ter-se despedido para criar a sua empresa, ter-se divorciado…

Posso-lhe garantir que qualquer uma dessas fases de transformação e crescimento passaram por um processo de 9 passos, como os que estamos a passar agora:

 

1º – Inconsciência: há 3 meses não pensávamos sequer se estaríamos preparados para algo assim. Era algo que simplesmente não nos ocorria. Tínhamos milhares de outras coisas mais importantes para nos preocuparmos.

2º – Consciência: há pouco mais de 1 mês, começámos a pensar nisto… Uma epidemia que começou na China estava a infetar pessoas por todo o mundo e aos poucos fomos sentindo os efeitos da quebra nas várias cadeias de abastecimento e no meu caso concreto, da quebra de procura por parte dos turistas asiáticos. Nesta altura já pensávamos nos aspectos negativos que estávamos a sentir. Mas nem tudo era mau. A vida podia bem continuar no estado em que estávamos.

3º – Choque emocional: Muito rapidamente a epidemia passou para o estado de pandemia e chega ao nosso país. O medo apodera-se de nós e espalha-se mais rapidamente do que qualquer vírus. Antes de o estado suspender a economia, já ela estava suspensa em muitos setores. Esta é a altura em que sentimos o impulso emocional e somos obrigados a agir, por todas as responsabilidades que cada um de nós tem para com a saúde pública e para com quem depende diretamente das nossas ações como os nossos trabalhadores, filhos, pais e avós. 

4º – Desconstrução total: esta é sempre a fase mais dolorosa de qualquer transformação. Há quem chame de “dores de crescimento”. Temos vontade de agir, mas o caminho é mais duro do que pensamos suportar. A dor, a angústia e a frustração são os sinais que indicam que estamos perto da transformação. Todo este tempo em que não podemos estar e tocar nos nossos pais, irmãos, amigos e colegas, em que temos de tomar decisões que vão impactar negativamente a vida de quem confiou em nós, em que tudo o que tínhamos construído e era visível, desaparece. Não há convívio, as empresas foram “empurradas para o desemprego” e tudo aquilo que dávamos como sabido e garantido, afinal já não são. Chocamos de cara com as verdadeiras emoções que habilmente temos suspendido ao longo da nossa vida para não atrapalhar os nossos planos. É um momento grandioso na vida de qualquer pessoa. Devemos aproveitar para explorar e ir o mais profundo possível do nosso ser. Quanto maior for a dor, maior a garantia que não ficaremos indiferentes. É aquela discussão honesta, dura e horrível que tivemos com a nossa cara metade, é aquele momento insuportável de falta de nicotina, é aquele dia de ginásio que não suportamos mais com a balança a não fazer justiça ao nosso esforço, é aquele vazio existencial que paralisou a nossa vida ou a vida da nossa empresa. Tudo isto faz parte da vida. Só temos de aceitar e entender que a seguir pode vir uma vida melhor, simplesmente porque seremos uma versão melhor de nós mesmos. 

Se não formos fortes suficientes ou não tivermos o acompanhamento certo, então iremos desistir e todo este caminho de desconstrução e sofrimento não fez qualquer sentido. A dor passa a sofrimento e depressão. O casamento acaba em divórcio, a dieta fica para a próxima, deixar de fumar fica para uma próxima tentativa e a oportunidade para crescermos verdadeiramente fica para depois.

 

E como saímos disto?

 

Os que conseguirem, vão “odiar-se” pelo que vêem e por terem colocado a hipótese de interromper este processo, que não têm outra hipótese que não afastarem-se da sua versão anterior e construírem aquela que vai ser a sua versão melhorada. Daqui seguem-se mais 5 fases, mas garanto-lhe que quem passa por esta última fase. com esta vontade, nunca mais voltará à versão anterior. Já é uma pessoa diferente, mais consciente e melhor!

 

Não  sei se para si isto faz sentido e se estou a interpretar bem o momento em que estamos todos a passar. Mas é o que acredito verdadeiramente estar a acontecer.

Uma oportunidade única para cada um, cada empresa, cada país, ter consciência de si próprio, “odiar” a sua versão anterior e ter a vontade certa para se transformar e ser melhor. 

Infelizmente temo que a maior parte das pessoas, empresas e países ficarão pior. É pena…

 

Caso entenda em que fase estamos, e queira aproveitar para completar todo o processo, seja para a sua vida ou para a sua empresa, por favor conte comigo!

Depois de ter passado por semanas de dor, angústia e frustração, hoje dou muitas graças por ter mais tempo para ajudar mais pessoas e empresas a transformarem-se na qualidade de coach certificado.  E que oportunidade esta!

 

Cheguei ao dia de hoje, quebrei a convicção que não chegaria aos 30 anos, e agora?

 

Possivelmente vou tentar a abordagem de continuar a viver segundo o meu propósito:

Aproveitar cada dia para chegar à melhor versão de mim próprio, ajudando todos à minha volta a fazerem o mesmo, principalmente através do meu testemunho de realização pessoal como homem de família e homem do Mar e realização profissional como empresário e coach. Quero continuar a sentir-me o homem mais feliz do Mundo e quero ajudar todos à minha volta a sentirem mesmo!

 

Bernardo Castro

SEO (Smile Executive Officer)

 

Era uma vez a Seaventy… 6º aniversário

Era uma vez um homem charmoso chamado Fernando e que era casado com uma linda mulher chamada Leonor. Da sua imensa paixão nasceram imensos  filhos (treze!). 

Fernando era um homem de convicções e valores fortes. Um homem de causas que ficou conhecido pela sua dedicação de uma vida ao Mar e à Marinha e pela sua luta incansável pela dignidade da Família.

No dia 19 de março de 2014 foi o seu último jantar do dia do Pai, pois acabou por falecer de cancro de pulmão, no dia seguinte. Faz hoje precisamente 6 anos que os filhos e a mulher viveram este dia com a consciência que seria o último jantar do dia do Pai, mas sem imaginarem que seria mesmo a sua última ceia…

A sua herança já tinha sido repartida e já os filhos a usufruiam muito antes do seu falecimento. De forma muito democrática, o Fernando deu 12 irmãos a cada filho. Mais que suficiente para cada um dos seus viver uma vida muito feliz e desafogada. 

Da paixão pela Família resultou em várias famílias numerosas com muitos dos seus filhos a terem 3 ou mais filhos. Da paixão pelo Mar, resultou que um dos filhos seguiu as suas pisadas.

Bernardo, o décimo, sempre acompanhou o seu pai no seu pequeno veleiro. Passear à vela era o hobbie favorito de Fernando que partilhava de forma especial com a sua família e amigos. Pode imaginar cruzeiros tranquilos só a ouvir a brisa do Mar… Mas não era bem assim. Fernando aproveitava estes momentos como escape ao stress e, de forma hilariante (e por vezes de forma cansativa), assumia a pele de comandante da Marinha gritando ordens a quem estivesse com ele. Ora Bernardo estava sempre com ele, logo estava sempre a ouvir. Os fim-de-semanas de Bernardo eram totalmente dedicados a acompanhar o seu pai. Fosse o que fosse, ficava para trás. Primeiro os escuteiros e a catequese aos sábados, e mais tarde os estudos. E até a namorada Rita sabia que não podia contar com grandes planos aos fins-de-semana. 

Destes momentos de cumplicidade foi crescendo a admiração e orgulho pela vida do seu Pai que tudo transbordou no dia do funeral do seu Pai. A maior igreja de Cascais foi minúscula para receber Fernando e todas as pessoas que quiseram prestar uma última homenagem. O dia que é para muitos o pior dia das suas vidas, transformou-se simultaneamente no melhor dia da vida do jovem pai Bernardo. Foi nesse dia que percebeu que o funeral é um evento que cada um prepara durante toda a sua vida.

 

Desde os 18 anos, Bernardo aventurou-se no Mar e com a sua veia empreendedora tentou de tudo um pouco. Mas nada parecia correr como gostaria.

Até que com 23 anos, já casado com a sua namorada Rita e com uma filha de 1 ano, um empreendedor muito bem sucedido na área de turismo de luxo aparece na sua vida como o mentor que lhe faltava. Nuno era um homem que em muito se assemelhava a Fernando: de convicções fortes e não suportava nem a mediania nem a injustiça. Sabendo das dificuldades que a jovem família estava a passar, rapidamente se esforçou para dar as condições que garantiram pela primeira vez a tranquilidade financeira ao Bernardo e à Rita. Foi já neste ambiente que as bases da Seaventy começaram a ser desenhadas. De um lado tinham o Fernando feliz pelo seu filho se ter orientado e do outro tinham o experiente Nuno que estava de volta ao entusiasmo do processo de criação de uma nova empresa. E que empresa! 

Muito antes do plano de negócios, plano de marketing ou projeções financeiras, a grande preocupação foi definir em poucas palavras o propósito desta futura empresa que ficou para sempre assim: “Aproximar as pessoas do Mar e desenvolver a Economia do Mar.”

Com a missão bem definida, então lançaram-se para a definição da marca. Esta fase é sempre estimulante e neste caso não foi excepção. Durante vários dias as cabeças de Bernardo e Nuno não pensavam em mais nada. As hipóteses foram às dezenas, todas elas à volta das palavras “Sea”, “Ventures”, “Adventure”, “Ocean”, “Blue”… Mas foi uma inspiração do Nuno que levou a melhor: “E que tal Seaventy? Sea de Mar com Seventy de Setenta tributo ao facto de 70% do nosso corpo e do nosso planeta serem compostos por água?” O conceito fazia todo o sentido e era inteligente. O Bernardo comprou de imediato a ideia e apressaram-se a registar a nova marca e a criar o novo logo e todo o manual de normas com a ajuda da Teresa. Teresa foi uma colega de 3º ciclo do Bernardo que sempre teve talento para o desenho e felizmente se tornou designer gráfica. Foi ela que ficou responsável por toda a imagem, incluindo o logo, panfletos, assinaturas e até do site. Com toda a liberdade e criatividade, acertou em cheio!

Tudo corria bem na relação entre o mentor e o jovem empreendedor. 

Já com tudo pronto para a promoção, o desconhecido jovem lançou-se à estrada para bater à porta das então desconhecidas agências de viagens de incoming: Citur, Limits, Portugal Travel Team, Travel Store… A sua enérgica e positiva atitude agradou a todos os que o receberam e ficou prometido que iriam dar oportunidades ao jovem empreendedor do Mar. Mas atenção que havia sempre a ressalva que a procura por eventos e alugueres de barcos era algo raro e naquele momento já trabalhavam diretamente com os principais operadores. Sem nunca perder a esperança, Bernardo continuou sempre na estrada à boleia das recomendações que ia pedindo delicadamente em cada visita. 

Breves semanas mais tarde, a Seaventy já estava a enviar bonitas propostas personalizadas e os 4 primeiros eventos surgem para os dias 20, 21 e 22 de março de 2014, respectivamente um cruzeiro em privado para um casal, um jantar de luxo para uma empresa num catamarã e duas regatas de team-building de 80 pessoas cada. 

Era véspera dos primeiros eventos e Bernardo estava mais nervoso que entusiasmado. Os nervos davam a sensação de estar assoberbado e por isso quase se mentalizou que não conseguia ir ao jantar de família no dia do Pai. Felizmente acabou por ir com a sua filha Sofia e com a sua esposa Rita que levava a Inês dentro do seu ventre. Desse jantar e dessa semana, nunca mais se vai esquecer…

Depois de 6 anos a inventar e reinventar, a Seaventy mantém mais viva que nunca o seu sentido de missão e Bernardo continua casado, mas agora com 5 lindas princesas.

 

Com pózinhos de prlim-pim-pim,

a história (ainda não) chegou ao fim…

Com pózinhos de prlim-pim-pão,

a história chegou ao nosso coração!

 

 

2014 

 

A Seaventy é criada por Nuno Tavares e Bernardo Castro com o forte apoio do seu pai Fernando Ribeiro e Castro, então secretário-geral do Fórum Empresarial da Economia do Mar. Abre atividade como operador Maritimo-Turístico para facilitar o acesso ao Mar por parte dos particulares, empresas e agências de viagens e eventos.

 

20 de março – Primeiro evento da Seaventy que coincide com a morte de Fernando Castro. Outros 3 eventos ocorrem nos dias seguintes, entre o velório e o seu funeral. 

 

Junho – Após o período de incubação no escritório no Parque das Nações, o Nuno Tavares passa a total responsabilidade da empresa para o Bernardo e Rita. 

A Rita fica como responsável pelas áreas administrativa e financeira. O Bernardo fica como responsável de tudo o resto: marketing, vendas e operação. Para ajudar nestas funções contrataram o seu bom amigo Jorge que já tinha tido a experiência de trabalhar com o Bernardo em aventuras anteriores. Trabalham os 3 em casa do casal, em Linda-a-Velha, num dos quartos transformado em escritório.

 

13 de setembro – Nasce a Inês, a segunda filha de Bernardo e Rita.

 

2015

 

Apesar das boas vendas do primeiro ano, há necessidade de fundos e entram 3 sócios investidores: Joan, Javier e Nuno (todos eles médicos e com ligação à náutica de recreio). Mais tarde, entra Pedro como 4º investidor. 

 

Deslumbrado com o dinheiro angariado, a Seaventy muda-se para um escritório e aumenta a sua equipa para 12 elementos e diversifica os negócios para áreas como a restauração e a decoração de barcos. Apesar do aumento significativo de faturação, os resultados foram muito fracos. Saiem todos os trabalhadores ficando apenas o Samuel (irmão mais novo de Bernardo), a Paula e o Jorge.

 

30 de novembro – Nasce a Helena, a terceira filha de Bernardo e Rita.

 

2016

 

Devido aos fracos resultados e incompatibilidades entre o Bernardo e o sócio Pedro, este sai da sociedade e os outros sócios aproveitam também para sair. 

 

Paula apresenta o seu grande amigo Rui ao Bernardo que não tem dúvidas que tem de o contratar, o que aconteceu poucos meses mais tarde.

Surge a oportunidade de relançar o navio Lisboa Vista do Tejo, após ter sido adquirido pela Confeitaria Nacional. 

Este acordo justifica a contratação da Cláudia que Bernardo conheceu numa das primeiras visitas a uma agência nos primeiros meses da Seaventy.

Nesse ano, a Seaventy duplica a faturação, atingindo a marca dos 500.000€, muito suportados pelo negócio do Lisboa Vista do Tejo – tanto eventos privados como operação regular de venda ao bilhete.

 

2 dezembro – Nascem as 2 filhas gémeas do Rui, Carmo e Constança, bastante prematuras. Rui fica 2 meses em casa de apoio à família.

 

6 dezembro – Nasce a Carminho, a primeira filha do futuro sócio Miguel.

 

2017 

 

O ano começa com a entrada de dois novos sócios. Bernardo e Rita conhecem Miguel e Alícia no movimento de Equipas de Nossa Senhora e rapidamente criam uma empatia especial. Ambos se tornam sócios e trabalhadores. Alícia substitui a Rita enquanto esta está de licença de maternidade e o Miguel fica como diretor de operação, após a sua experiência em vários dos melhores hotéis do mundo. 

 

Abril – Após várias anos em conversações com o ex-proprietário do Barco Evora, surge a oportunidade de a Seaventy adquirir após um encontro inesperado com um potencial investidor. Após uma breve conversa, Bernardo mostra o Barco Evora ao Sr. Rui e este demonstra logo vontade de investir e ajudar a Seaventy a adquirir. O negócio ficou fechado nesse dia com o investidor e com o antigo proprietário.

 

A Seaventy adquire o histórico Barco Evora e em apenas 1 mês faz uma intervenção que surpreende todos os que já o conheciam. Os experientes mestre João e o maquinista José transitam para a Seaventy e um pouco mais tarde chega o Daniel como estagiário que passados alguns meses torna-se marinheiro efectivo. 

 

22 de junho – Nasce a Maria do Mar, quarta filha de Bernardo e Rita.

 

Entre grandes regatas team-building, eventos no Lisboa Vista do Tejo e no Barco Evora, a Seaventy quase que duplica a faturação neste ano.

 

2018

 

O ano começa da pior maneira com um Réveillon no Barco Evora em que praticamente tudo correu mal. 

Mudou de fornecedor de catering para a “Horas Felizes” que felizmente se mantém até hoje, tal como o DJ Divenitto como parceiro de animação. 

 

O Barco Evora vai para o seu primeiro estaleiro da era Seaventy. O Miguel e toda a tripulação trabalham diariamente em condições muito duras e conhecem o navio a fundo.

 

11 de março  – Nasce a Aurora, a primeira filha de Alícia

 

O pesadelo do Réveillon tornou-se matéria para um “Case Study” estilo AESE-Business School que passou a ser utilizado no processo de recrutamento para aferir o bom senso dos candidatos, um dos apenas 2 requisitos para trabalhar na Seaventy (o outro é terem bom coração).

Francisco passa com distinção e ingressa na equipa como braço direito do Miguel.

 

A empresa entra em velocidade de cruzeiro mantendo a sua equipa estável.

 

Apesar das várias tentativas de colocar o Barco Evora a fazer operação regular de venda ao bilhete durante o verão, nenhuma delas resultou. 

 

Novembro – o Barco Evora é contratado para um trabalho especializado de transfer de militares de um porta-aviões americano que ficou fundeado ao largo do Rio Tejo para a Algés. É nesta altura que o Aléssio completa a tripulação como marinheiro efectivo, ao lado de Daniel.

 

Este trabalho dá um importante fôlego financeiro em plena época baixa e faz relançar mais uma tentativa de operação regular com o Barco Evora a começar no mês a seguir em pleno inverno.

 

Dezembro – Bernardo convence a Célia, amiga de longa data dos seus irmãos mais velhos, a entrar nesta nova tentativa. Célia é guia e torna-se a simpática anfitriã dos cruzeiros que se realizam todas as quintas, sextas e sábados no Barco Evora.

 

O ano terminou com um crescimento assinalável na qualidade dos eventos que passaram o valor médio de 4.000€, em vez dos 700€ no primeiro ano de atividade.

 

2019 

 

O número de vendas da operação regular entre Dezembro e Março são suficientemente animadores, bem como todos os feedbacks e avaliações nas várias plataformas. A Seaventy decide manter esta operação com o alto compromisso da Célia, de toda a tripulação, do Miguel e com o apoio de toda a equipa. Ao longo do ano o número de cruzeiros foi sendo reforçado atingindo o pico em julho e agosto com 20 cruzeiros por semana. 

 

11 de janeiro – Nasce a Luz, a quinta filha de Bernardo e Rita.

 

O Samuel que esteve responsável pelos alugueres dos pequenos grupos durante 4 anos, sai da empresa para abrir o seu primeiro restaurante Focus que se tornou num sucesso imediato. É aberta uma vaga para a mesma função através do habitual processo de recrutamento. João, um jovem “millennial” de apenas 21 anos destaca-se e fica com o lugar. Desde que chegou, já desempenhou praticamente todo o tipo de funções, todas elas com elevado brio e dedicação.

 

20 de março – a Seaventy celebra o seu quinto aniversário e renova a marca com novo logo, nova imagem e um novo site com a ajuda da designer e responsável de imagem, Margarida – responsável pelo “Eléctrico 28”, e pelo web developer responsável pelo site, André – responsável pela “Doublebond”.

 

17 de agosto – Nasce o Felipe, o segundo filho de Alícia.

 

4 outubro – O Francisco casa-se com a sua noiva Mariana e oferece a todos os convidados uma bonita festa no Barco Evora.

 

Após um excelente arranque do ano com um aumento médio de faturação mensal acima de 50% até setembro, o último trimestre foi assolado por condições climatéricas adversas e a Seaventy terminou com um resultado apenas um pouco acima do ano anterior. A operação regular do Barco Evora teve um peso de 10% nos resultados, ficando os restantes 90% a cargo dos eventos privados, que aumentou o seu valor médio para 5.000€ por evento.

 

2020

 

Apesar dos desanimadores resultados do ano anterior e em especial do último trimestre, a Seaventy mantém toda a sua equipa e aproveita para melhorar todos os processos durante a dispendiosa época baixa.

 

Janeiro – O Barco Evora vai para o estaleiro e faz uma reparação e remodelação profundas que representam um enorme investimento. O navio fica impecável e pronto para uma temporada de sucesso de passeios regulares e muitos eventos privados.

 

27 janeiro – Nasce a Caetana, a primeira filha de Cláudia.

 

3 de março – Nasce o António, segundo filho de Miguel.

 

20 de março – A Seaventy celebra o seu 6º aniversário em plena crise do Coronavírus ou Covid-19. É um verdadeiro dilúvio dos tempos modernos que só vai poupar as empresas que servem verdadeiramente as pessoas e a nação.

 

Com 6 anos feitos, estamos apenas a começar!

 

To be continued…

 

Um Dilúvio dos Tempos Modernos

A Vida tem destas crueldades, em que por uns pagam todos. Mas esta pandemia e crise são necessárias.

Neste mundo cada vez mais distante de Deus, em que o Homem cada vez mais se convence que está acima da Criação e do Criador, em que se perdeu o sentido de Família e o valor da Vida, em que nos movemos sem um sentido e um propósito nobre, e apenas o dinheiro, o poder, a fama e os likes interessam, em que nunca há tempo porque estamos viciados em constantes distrações… eis que numa questão de um micro segundo (estes dias e meses não passam mais que isto na vida da Humanidade), somos reduzidos à nossa insignificância e somos empurrados de volta ao mais primitivo do nosso animal social. Como qualquer animal precisamos de comer, beber e descansar. E precisamos de nos reproduzir e sobreviver. Como mamíferos e animais sociais precisamos de criar relações verdadeiras que nos protejam de todos os perigos da nossa espécie e precisamos de nos reproduzir e dar total proteção e preparação às nossas crias para que elas cresçam e continuem este ciclo sem fim. É assim há milhões de anos com os mamíferos e há milhares de anos com o Homem. Deixemos a Natureza selecionar os seres que melhor garantirão a manutenção das espécies. Não sabemos nada e não somos nada. Mas esse não é o problema… o problema é que pensamos que sabemos tudo e graças a essa perfeita ignorância e desconexão com as leis básicas da biologia, seremos provavelmente a espécie de mamíferos com a vida mais curta da Terra. Auto denominamos por animais racionais, mas somos mais estúpidos do que pensamos. Fazemos tudo ao contrário… Substituimo-nos a Deus e criamos o mundo à nossa imagem. Acabamos com a vida de quem nos incomoda ou pode incomodar as nossas aspirações e bem estar, evitamos a todo o custo o Dom da Vida e não somos capazes de entregar a nossa vida ao bem comum. 

A dimensão biológica é simples de explicar mas mesmo assim fazemos um enorme esforço para ir contra as leis básicas. Já a dimensão espiritual é bastante diferente e é o que nos torna superiores a todas as espécies da Terra. Se temos sido negligentes com a nossa natureza animal, o que dizer da busca pelo sentido?

Aqui tenho de citar Viktor E. Frankl, escritor e psicoterapeuta que sobreviveu a Auschwitz e explica como ultrapassou o sofrimento no seu espetacular livro “O Homem em Busca de um Sentido”. 

“Terrível como efetivamente foi, a sua experiência em Auschwitz reforçou o que era já uma das suas ideias centrais: a vida não é essencialmente uma busca de prazer como pensava Freud, ou uma busca de poder, como ensinou Alfred Adler, mas sim uma Busca de Sentido.”

Ora nem mais… Esta busca de sentido ou busca pela felicidade é o que verdadeiramente nos move, nos motiva e dá um propósito a todo o prazer, mas também a todo o sofrimento.

Este profetizado Dilúvio dos tempos modernos, levará para a sua Arca apenas as pessoas e as empresas que vivem com um sentido e um propósito nobre e transcendente. Pessoas que vivem em busca do Céu e da Santidade e empresas que servem pessoas e a nação serão as poupadas desta tragédia que assola o mundo inteiro.  

Tenho um enorme orgulho de ser o líder da Seaventy, uma micro ou pequena empresa com 12 trabalhadores que foi criada para seguir a missão do meu Pai: “Aproximar as pessoas do Mar e desenvolver a Economia do Mar!” Cada um de nós trabalha todos os dias com um propósito comum que nos move a todos desde o primeiro até ao último dia. Cada dia bom e cada dia mau têm um sentido e trazem sempre alegrias ou lições. É assim desde o primeiro dia e será assim até ao último dia. A Seaventy não ambiciona riqueza, poder ou reconhecimento. Ambicionamos “apenas” ser a melhor empresa que o Mar já viu para cumprirmos seriamente a nossa missão sendo guiados pelos elevados valores que nos caracterizam: Integridade, Compromisso, Paixão, Autonomia e Disciplina. 

Acredito que esta Seaventy passará este Dilúvio!

Passamos dificuldades e continuaremos a passar, mas o nosso sentido de propósito transforma e continuará a transformar a Dor e Dificuldades em Sacrifício e Crescimento. 

Agora é tempo de nos abrigarmos na Arca com as nossas famílias e rezar para que tudo isto passe e que todo o nosso esforço nestes últimos 6 anos seja merecedor de sermos poupados. 

Com 6 anos feitos, estamos apenas a começar!

 

Bernardo Castro

SEO (Smile Executive Officer)

 

Publituris: Seaventy flexibiliza condições de cancelamento nas reservas

Por Publituris a 6 de Março de 2020

O cancelamento de reservas devido ao Coronavírus já se propagou ao setor da animação turística. Bernardo Castro, sócio-fundador da Seaventy, empresa de cruzeiros e eventos no Rio Tejo, conta que têm recebido vários cancelamentos de última hora, além dos adiamentos de novas reservas de eventos e bilhetes de cruzeiros regulares, especialmente em Lisboa e Cascais.

Depois de contactar várias agências, Bernardo Castro percebeu que “deveria arranjar uma forma de facilitar ao máximo a vida das agências e dos seus clientes para, em conjunto, ultrapassarmos mais facilmente esta má fase”.

Assim surgiu a ideia de flexibilizar as condições de cancelamento nas reservas. Por um lado, a Seaventy “exercerá a sua influência sobre os seus principais fornecedores (barcos, catering e animação) de forma a sensibilizá-los para melhorar as suas condições de cancelamento”. Por outro, no que “depende diretamente da Seaventy – alugueres privados ou cruzeiros regulares no histórico Barco Evora – garante a devolução do valor total para cancelamentos a mais de 5 dias úteis para alugueres privados e a mais de 2 dias úteis para cruzeiros regulares”.

“Contamos obviamente com um impacto negativo nas contas a curto-prazo, mas acreditamos que este tipo de filosofia traz sempre outro tipo de impacto muito positivo a longo-prazo”, remata Bernardo Castro.

Os efeitos positivos desta iniciativa “já se fizeram sentir com um aumento natural da satisfação dos clientes para além do ligeiro incremento sentido nas reservas”.

Melhor empresa de Animação Turística 2020

Aos poucos e poucos vamo-nos conhecendo melhor e por isso estou mais à vontade para lhe confessar algo muito íntimo, sem correr o risco de pensar mal de mim: Criei a Seaventy com o objectivo de ser “a melhor empresa que o Mar já viu” e com a missão de “Aproximar as Pessoas do Mar e desenvolver a Economia do Mar”! 
É esta ambição e sentido de missão que nos motivam diariamente desde 2014! 

Não temos qualquer motivação extrínseca ou qualquer necessidade de aprovação ou reconhecimento. Se assim fosse, acredite, provavelmente a Seaventy já não existiria…


Felizmente há cada vez menos pessoas a duvidar que a Seaventy foi criada para durar… Acreditamos mesmo que o teste do tempo é o maior de todos os testes e por isso deixaremos a História contar a nossa Estória.


Com 6 anos feitos agora em Março, estamos apenas a começar… 


Foi a primeira vez que a Seaventy foi nomeada para este importante prémio e temos consciência que não será provável vencermos. Ainda somos relativamente pouco conhecidos e as outras empresas nomeadas são excelentes no que fazem. Ainda assim ficamos felizes pela nomeação, pelo sinal de confiança que dá a todos nós: sócios, equipa, fornecedores, parceiros e clientes! A todas estas pessoas que acreditam no nosso valor, deixo um enorme  e sincero agradecimento.


Este é sem dúvida o maior prémio que recebemos a cada dia, a cada novo pedido, a cada novo evento, a cada testemunho, a cada recomendação e a cada pessoa que aproximamos do Mar.


Muito mais do que o seu voto para este prémio, o verdadeiro esforço começou no primeiro dia para conseguir o seu “voto” sincero que mantêm a nossa ambição e missão tão fortes como nunca!

Muito obrigado por isto!


E se a Seaventy ganhar o Publituris Travel Award para a categoria de Melhor Empresa de Animação Turística, no dia 17 de março?


Toda a equipa ficará radiante, e eu bastante aliviado… =)


É que no próximo dia 17 de março eu e a minha mulher celebramos 8 anos de casados e a notícia de que iremos passar a manhã desse dia romântico num evento não foi muito bem recebida pela sócia-gerente…
Oxalá que a manhã corra tão bem que torne este dia ainda mais especial para nós, como casal empreendedor que trabalham juntos há mais de 10 anos. 


Se quiser contribuir para tornar este dia ainda mais especial para nós e se acredita que a Seaventy merece ganhar este prémio, pode votar aqui: https://premios.publituris.pt/trade/2020/

Um muito obrigado aqui do Mar!

Saudações náuticas,

Bernardo Castro

“Bons Ventos” para 2020!

De que vale pensarmos em objectivos para o Novo Ano se não nos conhecemos e não sabemos onde estamos?

 

O pior que pode acontecer durante uma navegação é ficarmos cercados pelo nevoeiro. Não vemos nada e perdemos totalmente o sentido de orientação. Agora imaginem que não têm mapas nem instrumentos de navegação… Muitas vezes também na nossa vida somos apanhados pelo nevoeiro cerrado que nos deixa desorientados e sem sentido(s). Perdemos a força de vontade e deixamos que tudo seja mais forte que a nossa mente. Passamos a ser controlados em vez de controlarmos a nossa própria vida. São fases desafiantes que requerem um plano de ação da nossa parte.

O que fazemos nestas alturas?
Muitas vezes, e seguindo os mantras da alta performance e grandes gurus, passamos para o papel a definição de objectivos com ferramentas de visualização e tudo mais. Mas quão eficazes podem ser as melhores técnicas de objectivos se não vemos um “boi à nossa frente”? Se não sabemos onde estamos nem para onde estamos virados? O que fariam num veleiro em pleno Rio Tejo cercados por um nevoeiro cerrado e sem instrumentos de navegação?

Num exercício de puro senso comum, diria que em primeiro lugar é importante constatar o facto: estamos cercados pelo nevoeiro e perdemos o sentido de orientação. Um passo tão simples nesta história mas tão difícil nas nossas histórias. Só depois deste passo se pode avançar para o passo seguinte. Em segundo lugar, devemos reduzir a velocidade ao mínimo ou ainda preferível, devemos parar. Nesta história e nas nossas histórias, muitas vezes reduzir ou parar não é mau mas necessário, sensato e bom.
Depois esperamos que o nevoeiro desapareça para retomar a nossa viagem rumo ao nosso destino.
Simples nesta história mas difícil nas nossas histórias.
O nevoeiro acaba sempre por desaparecer através de forças da natureza que em nada dependem de nós. Mas para nossa infelicidade e dificuldade, o nosso nevoeiro só desaparece com a nossa força de vontade. Somos nós que nestes momentos temos de nos querer conhecer e saber exatamente onde estamos.

Mais importante que definir objectivos, acredito que devemos fazer um exame de consciência sério para irmos afastando o nevoeiro das nossas vidas.
O que é importante para mim? Como estão as relações com minha família, amigos e comunidade? Em que estado está a minha saúde física e espiritual? Como está a minha relação com o dinheiro? E por aí fora…
A partir deste exercício, entre a clarividência (e alguma angústia talvez), podemos começar a perceber que tipo de objectivos terão mais impacto na nossa vida e na vida dos que estão à nossa volta.
Para um nível ainda maior de clareza, devemos ir mais a fundo e deixar a nossa consciência responder aos grandes ventos que fazem desaparecer por completo o nevoeiro das nossas vidas.
Quem somos nós? Qual é o propósito da nossa vida? Quais os valores e convicções que guiam as minhas decisões? Que valor quero que a minha vida tenha quando não puder fazer mais?

E então só depois chegam os objectivos com as devidas técnicas e tudo o mais…
Desejo a todos um excelente 2020 e que este ano traga “bons ventos”! ??

 

Mensagem do nosso “Smile Executive Officer” Bernardo Castro

Ver Especial Eventos Rentrée

Passeio de barco para as escolas e grupos

Condições especiais para escolas, municípios, freguesias e instituições de solidariedade: 

– Os grupos até 50 pessoas terão de optar por um dos horários do circuito regular.

– Os grupos superiores a 50 pessoas podem optar por fazer o cruzeiro durante as manhãs de segunda a sábado. O embarque será feito numa hora a combinar, entre as 9h e as 11h. Nestes casos, o embarque e desembarque serão feitos na Doca base (Doca Rocha Conde d’Óbidos – Alcântara). O número máximo de pagantes é 100 pessoas e com este valor, o grupo terá o Barco Evora em exclusivo com a possibilidade de virem até 200 pessoas sem qualquer pagamento extra.

– Cada pessoa tem direito a 2 senhas de bebidas para trocarem por sumos, refrigerantes, águas, chá ou café.

 

Preços para grupos superiores a 50 pessoas:

  • Cruzeiro Clássico 1 hora: 10€ por pessoa, apenas durante a manhã ou 1.000€ para cruzeiro em exclusivo da parte da manhã ou em em exclusivo qualquer horário dos cruzeiros regulares.
  • Cruzeiro Lisboa Completo (até Belém) 2 horas: 15€ por pessoa, apenas durante a manhã ou 1.500€ para cruzeiro em exclusivo da parte da manhã.
  • Os acompanhantes (responsáveis pelas crianças) até 1 por cada 10 crianças pagantes são oferta.

Desconto especial de Época Baixa: – 20% (entre novembro e março)

 


Cruzeiro Lisboa Completo –  2 horas

seaventy 25 de abril

 

Se optarem por este programa vão adorar ver a cidade desde o rio.

Este passeio da Seaventy tem a duração de aproximadamente de 2 horas e ao desbravar o Rio Tejo permite aos alunos apaixonarem-se pelas vistas incríveis que Lisboa e a margem sul oferecem. Neste cruzeiro podem observar os monumentos e o espetáculo da natureza de forma demorada e atenta, além de, claro, guardarem para sempre os momentos em fotografia!

percurso cruzeiro évora por do sol

Do Cais Sodré, o Evora vai até à Ponte 25 de Abril para poderem, de longe, os mais belos monumentos dedicados ao período dos Descobrimentos portugueses: o Mosteiro dos Jerónimos, o Padrão dos Descobrimentos e a Torre de Belém, marcas turísticas e históricas de Lisboa.

No regresso, passagem obrigatória pelo Cristo Rei, antes de chegar a uma das praças mais bonitas do mundo, a Praça do Comércio, também conhecida como Terreiro do Paço.

A partir do Terreiro do Paço é possível verem toda a zona antiga de Lisboa, com o Castelo de São Jorge, a Sé de Lisboa construída em 1147, os bairros históricos como Alfama, Mouraria e Graça, e a Igreja de Santa Engrácia, convertido no século XIX no Panteão Nacional, onde figuras portuguesas como Amália Rodrigues, João de Deus e Eusébio estão sepultadas.

 

seaventy por do sol

 

Para grupos com mais de 50 pessoas, a guia dá explicações breves adaptadas a crianças e são entregues materiais com algumas perguntas e ilustrações para colorir.

No final do passeio, acontece nova interação com a guia, com a realização de um pequeno quizz, com prémios para as crianças que acertarem (chupas ou rebuçados).


Cruzeiro Clássico – 1 hora

percurso diário cruzeiro évora

 


A história do Evora

évora história

 

O passeio é feito num navio histórico que, durante mais de 50 anos, fez o trajeto entre Lisboa e o Barreiro e que foi cenário de muitos episódios especiais, histórias de amor e até pedidos de casamento.

O navio é lindo e chama-se Evora, mas é conhecido por “Senhor do Tejo”. É fácil perceber o motivo: é de facto uma embarcação imponente que, ao deslizar sobre as águas calmas do rio, passa uma imagem de soberania e segurança enormes.

O Barco Evora, recuperado pela Seaventy, tem um grande terraço ao ar livre com um bar no convés superior e no andar inferior tem uma sala executiva, que funcionava como a antiga primeira classe, uma cozinha, 4 casas de banho e um amplo salão panorâmico que garantem o máximo conforto mesmo para os dias mais frios.

 

évora interior

 

Cada viagem no Barco Evora é uma viagem ao passado! O mais interessante é que foi construído na Alemanha em 1931 com placas de tanques reciclados que sobreviveram à Primeira Guerra Mundial.

 

Artigo escrito por Pumkin.pt

Como podemos fazer a diferença neste Natal?

Nós acreditamos no grande poder das perguntas. São as perguntas certas que nos fazem pensar melhor!
  • Como podemos fazer a diferença?
  • Qual o maior impacto positivo para os outros que podemos criar?
  Como estamos em dezembro, acrescentámos “no Natal” a estas questões. Mas estas 2 “simples” perguntas perseguem-nos durante todo o ano na vida da empresa e também nas vidas pessoais de cada um dos elementos da nossa equipa. Neste Natal, a Seaventy vai fazer a diferença no Natal de dezenas de pessoas em situação de sem-abrigo e em centenas de crianças que não tiveram a mesma sorte dos nossos filhos. No Magusto organizado pela Seaventy, no passado dia 16 de novembro o Barco Evora, encheu-se de famílias de clientes que participaram massivamente na recolha de mantas e agasalhos para oferecer à Comunidade Vida e Paz. E durante este mês de dezembro vamos lançar o “Bilhete Família Solidária” com um preço acessível à maioria das famílias, perfeito para oferecer às famílias de que mais gosta! O “Bilhete Família Solidária” é um bilhete único para Pais e Filhos, independentemente do número de filhos, que custa o equivalente a dois adultos (preço dos pais) com uma condição especial: cada pessoa tem de trazer um brinquedo em bom estado para doar a instituições que apoiamos como a Aldeia S.O.S e a Terra dos Sonhos. Este bilhete só estará disponível para venda até ao dia 6 de Janeiro e pode ser usufruído já durante o mês de dezembro e até ao fim do próximo ano. Contamos que desta forma consigamos criar um grande impacto nas famílias que irão comprar e receber este presente, e um impacto ainda maior em todas as crianças que neste Natal irão receber Esperança em forma de presentes! Muito obrigado pelo apoio! =) Saudações náuticas, Seaventy   Preçário do “Bilhete Família Solidária”:
  • Cruzeiro Lisboa: 24€ (IVA incluído)
  • Cruzeiro ao Pôr-do-Sol: 40€ (IVA incluído)
Clique aqui para mais informações dos cruzeiros no Rio Tejo do histórico Barco Evora